sexta-feira, 30 de abril de 2010

Dendrobium thyrsiflorum




Mais uma vez assisti à espectacular floração deste Dendrobium, o meu preferido neste género e mesmo dos mais belos em todo o "mundo" das orquídeas. Pena é que as suas flores, levemente perfumadas, não tenham maior duração (apenas cerca de quinze dias).
Possui pseudobolbos finos, compridos e erectos e inflorescências pendentes, com numerosas flores bicolores (amarelo e branco puro). É oriunda da China (Himalaias), Índia, Birmânia, Tailândia, Laos e Vietnã, manifestando-se nas elevações entre os 1200 e os 2000 metros. Aprecia ambientes com boa humidade, com muita luz (mas sem sol directo), bem arejados e com temperaturas amenas.

sábado, 24 de abril de 2010

Dendrobium sulcatum




É um Dendrobium de porte pequeno a médio, com pseudobolbos alongados (até 25 cm) e achatados, com florações curtas e densas. É oriundo do Laos, Birmânia, Tailândia, China (Himalaias) e Índia, desenvolvendo-se nos vales, a uma altitude entre os 500 e os 1000 metros.
Adapta-se bem a ambientes temperados, com bom grau de humidade e floresce com facilidade.
Adquiri um exemplar muito jovem, há cerca de 3 anos, dando este ano a primeira floração de um belo efeito (parecem flores de cera). Os poucos botões que havia manifestado no ano anterior foram todos comidos pelos caracóis, que têm especial apetência pelos Dendrobiuns.

terça-feira, 20 de abril de 2010

Híbridos (algumas preciosidades...)

Trata-se de um Zygopetalum híbrido com cores e formas perfeitas e um agradável perfume, como é hábito neste género.

Adquiri este Cymbidium híbrido o ano passado, num gardencenter aqui do norte, mas não tenho referências do seu nome. Se alguém tiver conhecimento, gostaria de ter essa informação. É de uma beleza ímpar, sobretudo pela cor praticamente negra do labelo.

Esta maravilha foi comprada na ilha da Madeira já há alguns anos e dá sempre uma floração soberba. É um híbrido, "Cymbidium SWEET LIME", com flores de pequeno porte, fora do vulgar.

domingo, 18 de abril de 2010

Cymbidium eburneum



Ao contrário da maioria dos cymbidiuns (espécies botânicas), esta espécie costuma dar apenas uma a duas flores por haste e excepcionalmente três. Este ano, pela primeira vez desde que possuo este exemplar, há quatro anos, assisti a uma floração única (três flores na mesma haste). As flores são de uma beleza singular e delicada e exalam um agradável perfume a lilás.

Manifesta-se, no estado selvagem, a altitudes que variam dos 300 aos 2000 metros, em países como a Índia, Birmânia, China, Nepal (parte oriental dos Himalaias) e Vietnã.

Deve cultivar-se em ambientes temperados a frios e tem exigências de cultura idênticas à generalidade das espécies deste género.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Coelogyne flaccida





Originária de um vasto leque de países (Nepal, Índia, Butão, Laos, China e Birmânia), produz densas florações pendentes e bastante perfumadas, cujo aroma é considerado pouco agradável.
Adapta-se a climas temperados e frios, gostando de subtratos bem drenados e húmidos. Pode considerar-se de fácil cultivo.

Cymbidium lowianum



Esta espécie do género Cymbidium produz flores de longa duração e de um belo efeito no formato e conjugação das cores, sendo uma planta de grande porte.
É originária da Birmânia, Tailândia, China e Vietnã, manifestando-se nas florestas entre os 1200 e os 1400 metros. Adapta-se bem a ambientes temperados e frios, sendo de fácil cultivo, como a generalidade dos Cymbidiuns.

Epidendrum falcatum



Esta formidável espécie do género epidendrum (recentemente reclassificada como género Coilostylis) é originária do México, possuindo flores de grande dimensão, com forma pouco vulgar e perfume nocturno.

Deve cultivar-se em suspensão, em ambientes temperados a quentes e com elevado grau de humidade.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Paphiopedilum wolterianum



Mais um "sapatinho", Paphiopedilum wolterianum, que acaba de florir, com duas hastes. Trata-se de uma espécie com flores solitárias, originária do Camboja, que floresce no final do Inverno e início da Primavera. Tal como a maioria das espécies deste género, aprecia climas temperados, em ambientes de meia sombra e com os subtratos sempre húmidos, devendo, contudo, reduzir-se o número de regas durante o Inverno.

O género paphiopedilum está entre os meus preferidos, no mundo das orquídeas, e um dos que melhor se adapta às condições climatéricas do norte de Portugal, dado não ser extremamente exigente em condições de temperatura.