quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Pleurothallis allenii

A Pleurothallis allenii é uma planta miniatura, com ausência de pseudobulbos, característica deste género, de caules eretos e delgados, com uma única folha apical, ereta, coriácea e elíptico lanceolada. As suas inflorescências são curtas, surgindo a partir de uma espata e vão abrindo sucessivamente, uma de cada vez, ao longo da Primavera, Verão e Outono.

Família: Orchidaceae          Género: Pleurothallis          Espécie: allenii

Habitat natural: É uma planta que se desenvolve de forma epífita, na região central do Panamá e nas Honduras, em florestas que geralmente se situam entre os 500 e os 1000 metros de altitude, algo densas e muito húmidas.




Cultivo: É uma espécie para ser cultivada em ambientes temperados a temperados/frios, em local sombreado, bem ventilado e com elevado teor de humidade relativa (à volata dos 80%).
Está num vaso pequeno (cerca de 6 cm de diâmetro), em substrato composto maioritariamente por casca de pinheiro fina e alguma perlite. Opcionalmente, também pode ser adicionado algum esfagno.
Regar as vezes necessárias de forma a manter o substrato sempre húmido, adequando a frequência das regas às diferentes estações do ano. Sendo uma planta sem pseudobulbos, apenas suporta estar seca  por períodos muito curtos de tempo.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix, uma a duas vezes por semana, sempre com metade da dose indicada no rótulo/instruções. No Inverno deixo de aplicar fertilizações.

Referências bibliográficas: 

http://orchidspecies.com/pleuralleni.htm

https://wcsp.science.kew.org/qsearch.do

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

Cattleya kerrii

A Cattleya kerrii é mais uma das espécies de pequeno porte do género Cattleya. É nativa das florestas da Mata Atlântica, do estado da Baía, onde vegeta sobre as árvores situadas nas margens pantanosas de baixa altitude, muito húmidas e com alto teor de precipitação ao longo do ano.
Deve, preferencialmente, ser cultivada montada em madeira ou cortiça, num ambiente moderadamente sombreado, com temperaturas mínimas sempre acima dos 12 a 14 graus e as máximas a rondar os 32 a 33 graus. Deve também ser proporcionada uma boa ventilação do espaço e um elevado teor de humidade relativa, à volta dos 70 a 80%. 
Fertilizo com o Akerne Rain Mix, duas a três vezes por semana, desde o aparecimento dos novos pseudobulbos até à época de floração. 
Regar com frequência de forma a manter a planta sempre bem hidratada, sobretudo no período de desenvolvimento vegetativo.



quinta-feira, 29 de agosto de 2019

5ª Exposição Internacional de Orquídeas de Lisboa

Nos dias 27, 28 e 29 de Setembro de 2019 terá lugar, no Mercado do Forno do Tijolo, a 5ª Exposição Internacional de Orquídeas de Lisboa. Este evento, organizado pela APO, para além da habitual exposição das orquídeas dos associados, contará com a participação de inúmeros vendedores nacionais e estrageiros.  Para ver mais em pormenor, consultar o site: www.lusorquideas.com/.

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

Aerangis punctata

A Aerangis punctata é uma espécie nativa das ilhas de Madagáscar e Reunião, onde se desenvolve como planta epífita, sobre arbustos, em habitats que se situam nas florestas cujas altitudes se situam entre os 900 e os 1500 metros.
É uma planta miniatura, com folhas elípticas a oblongas, verde acinzentadas, com flores muito grandes, se comparadas com o total da planta e caraterizadas pelo seu longo esporão. Normalmente floresce no Verão.
Deve ser cultivada montada numa pequena placa de cortiça, em estufa aquecida, com as temperaturas mínimas sempre acima dos 12 graus e as máximas entre os 30 e os 34 graus. O ambiente de cultivo deve possuir boa luminosidade, sem sol direto, boa ventilação e um elevado teor de humidade relativa (entre os 60 a 80%).





Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/aerangispunctata.htm

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Cattleya harrisoniana 'Volcano Queen x Binot'

A Cattleya harrisoniana v. 'Volcano Queen x Binot' é um belíssimo exemplar, que se destaca pelas suas formas e coloração. É uma espécie bifoliada, de pseudobulbos longos, estreitos e cilíndricos, encimados por duas folhas elípticas a ovaladas e bem coriáceas. As suas inflorescências podem comportar de duas a seis flores cerosas, de longa duração e com um perfume muito agradável. Floresce, geralmente, no final do Verão.

Família: Orchidaceae     Género: Cattleya     Espécie: harrisoniana    v. 'Volcano Queen x Binot'

Habitat natural: A Cattleya harrisoniana é uma planta que se desenvolve de forma epífita, por vezes como litófila, geralmente sobre os arbustos de zonas pantanosas e húmidas, em alguns casos sobre rochas, no sudeste do Brasil.




Cultivo: Como a maioria das Cattleya que cultivo, esta está na estufa aquecida, em local parcialmente sombreado (com boa luminosidade), bem ventilado e com elevado teor de humidade relativa.
Utilizo um pequeno vaso e um substrato composto por uma mistura à base de 70% de casca de pinheiro grossa (2,5 a 3 cm) e 30% de argila expandida, garantindo, deste modo, uma drenagem rápida e eficaz, logo após as regas.
Rego duas a três vezes por semana nas estações mais quentes e secas do ano, reduzindo drasticamente durante o Inverno, nunca fazendo nesta estação mais do que uma rega semanal. Se o tempo for frio e chuvoso, rego apenas a cada 15 dias. Fora da fase de crescimento, necessita de muito pouca água.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix duas vezes por semana, desde o surgimento dos novos pseudobulbos até à época de floração. Aplico sempre doses de baixa concentração (metade da dose indicada pelo fornecedor por cada litro de água). Durante a maior parte do Inverno deixo de fertilizar, retomando pouco antes do início da Primavera.

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/orphotdir/cattleharrisoniana.jpg
https://wcsp.science.kew.org/namedetail.do?name_id=35955

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Maxillaria arachnitiflora

A nova floração desta Maxillaria arachnitiflora foi desta vez mais abundante, em número de flores, formando um belo conjuntos de formas, cores e perfume (leve e adocicado).
É um espécie que é nativa da Costa Rica e do Panamá, de habitats quentes e húmidos, a ser cultivada em ambientes temperados/quentes todo o ano, mediamente sombreados, com boa ventilação e alto teor de humidade relativa.




sábado, 10 de agosto de 2019

Cattleya xanthina

A Cattleya xanthina (ex Laelia xanthina) é uma planta de médio porte, nativa do Brasil, onde vegeta de forma epífita, apresentando inflorescências longas que surgem normalmente no Verão, com belíssimas cores e formas.
É cultivada em estufa temperada/quente, montada num tronco de madeira. O espaço possui sombra moderada, mas com boa luminosidade, boa ventilação e elevado teor de humidade relativa. As restantes exigências de cultivo são semelhantes à generalidade das espécies deste género.