segunda-feira, 18 de junho de 2018

Cattleya nobilior var. amaliae

A Cattleya nobilior var. amaliae é uma bonita variedade desta magnífica espécie. Embora com algumas semelhanças entre a Cattleya nobibior e a Cattleya walkeriana, a Cattleya nobilior destaca-se claramente por ser uma planta bifoliada e ainda por algumas diferenças nas flores, sobretudo pelo seu peculiar labelo. É uma planta um pouco mais exigente no seu cultivo mas merece bem o esforço, especialmente quendo somos beneficiados com estas deslumbrantes florações.

Família: Orchidaceae     Género: Cattleya     Espécie: nobilior    var. amaliae

Habitat natural: É uma espécie epífita que vegeta sobre os troncos rugosos de árvores, sempre bem exposta à luz solar, no alto de falésias, beneficiando de excelente circulação de ar, em altitudes que oscilam entre os 150 e os 700 metros. Esta variedade da Cattleya nobilior é proveniente dos Estados de Goiás e Tocantins, no Brasil.




Cultivo: É uma espécie que requer temperaturas bem quentes o ano todo, não tolerando estar exposta ao frio durante o Inverno. Esta planta está montada num pedaço de madeira rugoso e é cultivada na minha estufa aquecida, no local com maior exposição de luz, com excelente arejamento e com bom nível de humidade do ar durante a Primavera e Verão. 
Rego com frequência (3 a 4 vezes por semana) na segunda metade da Primavera, Verão e primeira metade do Outono. Durante os restantes 5 meses do ano é importante proporcionar-lhe um prolongado stress hídrico, regando apenas o necessário para não desidratar a planta. Com o tempo frio e chuvoso deve mesmo suspender-se todas as regas.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix, duas vezes por semana, sempre com doses pouco concentradas, com apenas cerca de metade da dose que vem na informação descrita no produto. Durante o período de stress hídrico suspendo todas as fertilizações.

Referências bibliográficas: 

http://orchidspecies.com/cattwalkerianavarnobilior.htm

http://wcsp.science.kew.org/namedetail.do?name_id=346366

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Cattleya aclandiae 'Iguassu x Valley Isle'

Cattleya aclandiae 'Iguassu x Valley Isle' é uma bonita variedade desta fascinante e perfumadíssima espécie. É uma das planta de menor porte no género Cattleya, de pequenos pseudobulbos e bifoliada. As suas folhas são elípticas e espessas, manchadas de tons avermelhados e as suas inflorescências, curtas, trazem 1 a 2 flores cerosas, de longa duração e de cores belamente contrastadas.

Família: Orchidaceae     Género: Cattleya     Espécie: aclandiae    var. 'Iguassu x Valley Isle'
,
Habitat natural: Espécie epífita, proveniente de habitas quentes e relativamente secos, de baixa altitude, geralmente junto à costa, no Estado na Bahia, no Brasil. Desenvolve-se em altitudes que podem oscilar entre os 100 e os 400 metros.




Cultivo: É uma espécie a ser cultivada em ambientes bem quentinhos, não suportando o nosso frio de Inverno. Esta minha planta é cultivada todo o ano na estufa aquecida, onde as temperaturas mínimas raramente descem abaixo dos 13 a 14 graus. O local de cultivo tem boa luminosidade mas sem sol direto, boa ventilação e elevado teor de humidade do ar (geralmente acima dos 60%).
Está num pequeno cesto de madeira suspenso, num substrato composto por casca de pinheiro grossa (ORCHIATA) e argila expandida. 
No Verão rego com frequência, 3 a 4 vezes por semana, reduzindo drasticamente o número de regas durante os Inverno (apenas as necessárias para não deixar desidratar a planta). Se cultivada em vaso o número de regas deve ser inferior e o substrato deve secar bem entre as mesmas.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix uma a duas vezes por semana, sempre com doses de baixa concentração (apenas metade da dose indicada para cada litro de água). Durante o Inverno suspendo as fertilizações.

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/cataclandiae.htm

http://wcsp.science.kew.org/namedetail.do?name_id=35779

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Cattleya iricolor

A Cattleya iricolor é uma das espécies deste género, do grupo das unifoliadas, com flores relativamente pequenas que, embora não primando pelas formas mais desejadas, compensam pela extrema beleza das suas cores e pelo seu magnífico e intenso perfume. Sendo a primeira floração desta minha planta, fiquei imensamente satisfeito com o resultado. De notar que é já uma espécie rara no seu habitat natural.

Família: Orchidaceae         Género: Cattleya         Espécie: iricolor 

Habitat natural: Desenvolve-se como planta epífita sobre galhos de árvores bem altas, em florestas húmidas, que se situam entre os 400 e os 1200 metros de altitude. É nativa da parte oriental dos Andes, pertencentes ao Peru e ao Equador.




Cultivo: É cultivada num vaso pequeno (cerca de 10 cm de diâmetros), em casca de pinheiro grossa e argila expandida. Está todo o ano nas estufa aquecida, em local com excelente luminosidade mas sem sol direto, com boa ventilação e elevado teor de humidade do ar (entre 60 a 70%, em média).
Rego de forma a manter os substrato apenas ligeiramente húmido, deixando este secar ligeiramente entre regas. Sempre que o substrato comece a ficar demasiado encharcado, devido à sua degradação, é melhor mudar a planta para novo substrato. Este princípio é válido para o cultivo da maioria das orquídeas.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix, uma duas vezes por semana, sempre com doses de baixa concentração (apenas cerca de metade da dose indicada pelo vendedor). Durante o Inverno suspendo as fertilizações.

http://orchidspecies.com/cattiricolor.htm

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Coelogyne huettneriana

A Coelogyne huettneriana é uma espécie de pequeno a médio porte, de pseudobulbos oblongo-ovados, com duas folhas elípticas, alongadas e agudas na ponta. As suas inflorescências surgem a partir dos novos pseudobulbos, longas e arqueadas, compostas por diversas flores, com um perfume suave e almiscarado.

Família: Orchidaceae         Género: Coelogyne        Espécie: huettneriana

Habitat natural: Espécie que se desenvolve de forma epífita e ou litófila, em espaços abertos, nas florestas do Vietname, do Laos, da Tailândia e da Birmânia, em altitudes que podem oscilar entre os 1100 e os 1200 metros.





Cultivo: Está num pequeno vaso suspenso, em substrato composto à base de casca de pinheiro, argila expandida e alguma perlite. 
É cultivada na estufa temperada quente, embora esta espécie possa suportar algum frio durante o Inverno. O ambiente é parcialmente sombreado, bem ventilado e com elevado teor de humidade do ar.
Rego com frequência na fase de desenvolvimento da planta, reduzindo consideravelmente  as regas durante o Inverno. O substrato deve manter-se sempre ligeiramente húmido, mas sem excessos de água.
Aplico o fertilizante Akerne Rain Mix, uma a duas vezes por semana, sempre com doses pouco concentradas (cerca de metade da dose aconselhada pelo vendedor). Durante todo o Inverno suspendo as fertilizações.

http://orchidspecies.com/coelhuettneriana.htm

http://wcsp.science.kew.org/namedetail.do?name_id=45083

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Cattleya schilleriana 'Agua Surda x Chocolate'

Esta Cattleya schilleriana foi adquirida aqui em Portugal, numa expo internacional, a um produtor do Brasil, no ano de 2015. Valeu bem a pena os três anos de espera por esta primeira floração. Estou muito e agradavelmente surpreendido pela forma e tamanho das suas flores, sobretudo pelo seu magnífico labelo, com 6 cm de largura. Fiquei, deste modo, cada vez mais admirador desta extraordinária espécie, infelizmente quase extinta na natureza.



segunda-feira, 4 de junho de 2018

Laelia speciosa

A Laelia speciosa é uma planta de pequeno porte, de pseudobulbos ovoides e rugosos, trazendo no seu ápice uma a duas folhas coriáceas e elíptico-lanceoladas. As suas inflorescências surgem no ápice dos novos pseudobulbos,  com cerca de 10 a 15 cm de comprimento, sendo geralmente compostas por 1 flor, ocasionalmente até 4, de grande porte, delicadamente coloridas e suavemente perfumadas.

Família: Orchidaceae          Género: Laelia          Espécie: speciosa

Habitat natural: Espécie que se desenvolve de forma epífita, no planalto central do México e terras altas adjacentes, em florestas abertas de carvalhos e em altitudes que podem oscilar entre os 1400 e os 2400 metros.




Cultivo: Esta espécie é cultivada todo o ano na estufa fria, onde as temperaturas podem, ocasionalmente, descer até aos zero graus durante o Inverno. O ambiente tem excelente luminosidade, sem sol direto, boa ventilação e médio teor de humidade do ar (geralmente entre os 40 e os 60%).
Está num pequeno cesto de madeira suspenso e com um substrato composto à base de casca de pinheiro grossa (cerca de 70%) e argila expandida (cerca de 30%). Esta espécie tolera períodos de seca, pelo que o substrato deve garantir excelente drenagem e secar bem entre regas, nunca tolerando que as raízes fiquem encharcadas. Desta forma, as regas devem ser apenas as necessárias para hidratar a planta, sendo estas muito espaçadas no Inverno.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix, uma a duas vezes por semana, sempre com metade da dose indicada pelo fornecedor para cada litro de água. A partir da segunda metade do Outono e durante o Inverno suspendo as fertilizações, retomando estas logo no início da Primavera.

http://orchidspecies.com/laelspeciosa.htm

http://wcsp.science.kew.org/qsearch.do

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Smitinandia micrantha

A Smitinandia micrantha é mais uma espécie miniatura, pertencente a um género com apenas três espécies conhecidas. É uma planta de crescimento monopodial, cujas inflorescências são compostas por inúmeras flores, densamente dispostas ao longo da haste pendente, com cerca de 1 cm cada uma e que vão abrindo sucessivamente.

Família: Orchidaceae         Género: Smitinandia         Espécie: micrantha

Habitat natural: Espécie epífita, que geralmente se desenvolve em florestas ribeirinhas, assim como em terras planas e baixas, normalmente a cerca dos 300 a 400 metros de altitude e nunca acima dos 1300 metros. É nativa de uma vasta zona asiática, de países como a China, Índia, Nepal, Butão, Birmânia, Tailândia, Laos, Camboja, Vietname, Malásia e Bornéu (Indonésia).




Cultivo: É cultivada um pouco a semelhança das Vanda. Estufa temperada/quente, ambiente sombreado mas com boa luminosidade, elevado teor de humidade do ar e boa ventilação. As temperaturas mínimas no Inverno nunca deverão descer abaixo dos 12 a 14 graus, mesmo durante a noite.
Está num pequeno cesto suspenso, com casca de pinheiro grossa, argila expandida e pedações de cortiça.
Rego frequentemente nas estações mais quentes e secas do ano (quase diariamente), reduzindo drasticamente o número de regas no Inverno.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix, uma a duas vezes por semana, sempre com doses de baixa concentração de adubo por cada litro de água. Durante o Inverno deixo de aplicar fertilizações.

http://orchidspecies.com/smitmicrantha.htm

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904