quinta-feira, 21 de março de 2019

Mediocalcar bifolium

O Mediocalcar bifolium é uma espécie miniatura, de pequeníssimos pseudobulbos ovoides, com folhas apicais, ovado lanceoladas. As suas inflorescências solitárias são relativamente longas, formando um bonito contraste de branco e vermelho, podendo surgir em qualquer altura do ano.

Família: Orchidaceae          Género: Mediocalcar        Espécie: bifolium

Habitat natural: Esta espécie, que se pode manifestar de forma epífita ou litófila, vegeta em árvores ou sobre rochas cobertas de musgo, sendo nativa da Nova Guiné, das Ilhas Salomão e de Vanuatu. Desenvolve-se em florestas montanhosas de elevada altitude, entre os 1800 e os 2600 metros.





Cultivo: A minha planta está todo o ano nas estufa temperada, podendo também ser cultivada em estufa fria ou em outros locais com baixas temperaturas. O ambiente de cultivo deve ser bem ventilado, ligeiramente sombreado e com  uma boa humidade relativa do ar.
Está num pequeno vaso (8 cm de diâmetro), em substrato composto maioritariamente por casca de pinheiro média, alguma argila expandida e perlite.
Deve regar-se com alguma frequência, de forma a manter o substrato sempre ligeiramente húmido, regando também as raízes aéreas. Contudo, no Inverno devem espaçar-se mais os períodos entre regas.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix, uma a duas vezes por semana. Aplico apenas metade da dose indicada no rótulo para cada litro de água. Como faço na generalidade das orquídeas, deixo de fertilizar durante o Inverno. 

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/mediobilfolium.htm

https://wcsp.science.kew.org/namedetail.do?name_id=123214

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

quarta-feira, 13 de março de 2019

Pinalia amica (Syn. Eria amica)

A Pinalia amica (Syn. Eria amica) é uma planta de pequeno porte, formada por pseudobulbos cilíndricos a ovoides e com uma a três folhas apicais, linear lanceoladas. Normalmente floresce no final do Inverno e ou início da Primavera. As suas inflorescências surgem a partir das laterais superiores dos pseudobulbos, sendo relativamente longas, geralmente compostas por cinco ou mais flores pequenas (1,5 cm), de formas e coloridos ricamente distintos, muitas vezes perfumadas.

Família: Orchidaceae           Género: Pinalia             Espécie: amica

Habitat natural: Desenvolve-se como planta epífita, vegetando sobre troncos de árvores, velhos e cobertos de musgo, em florestas nubladas e maioritariamente compostas por espécies de folha persistente, em zonas montanhosas, situadas entre os 600 e os 2200 metros de altitude. É nativa da China (Himalaias), de uma parte da Índia (Assam e Sikkim), do Butão, Nepal, Birmânia, Camboja, Vietname, Taiwan, Tailândia e Laos. 





Cultivo: É cultivada todo o ano na estufa fria, onde, por vezes, as temperaturas podem chegar perto dos zero graus. Utilizo um vaso pequeno e um substrato composto por casca de pinheiro média e argila expandida. 
O ambiente de cultivo é sombreado, bem ventilado e com elevado teor de humidade relativa do ar.
Rego de forma de forma a manter o substrato ligeiramente húmido, devendo secar por um curto período de tempo entre regas. Estas devem ser mais frequentes nas estações mais quentes e secas do ano e bastante espaçadas durante o Inverno.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix, uma a duas vezes por semana, sempre com doses de baixa concentração (metade da dose indicada pelo fornecedor para cada litro de água a aplicar). Durante a segunda metade do Outono e no Inverno deixo de fertilizar.

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/eriaamica.htm

https://wcsp.science.kew.org/namedetail.do?name_id=156193

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

quarta-feira, 6 de março de 2019

Isabelia violacea (syn. Sophronitella violacea)

A Isabelia violacea é, normalmente, mais conhecida nos meios orquidófilos como Sophronitella violacea. É uma espécie de pequeno porte, com pseudobulbos fusiformes, densamente agrupados, com folhas apicais coriáceas e linear lanceoladas. As suas inflorescências são curtas e compostas por 1 a 4 flores, que podem não abrir simultaneamente, ricamente coloridas e com cerca de 4 cm de dimensão.

Família: Orchidaceae         Género: Isabelia         Espécie: violacea

Habitat natural: Esta é uma espécie que se desenvolve de forma epífita, em alguns casos como litófila, de crescimento rastejante, sendo nativa das florestas montanhosas e húmidas do leste do Brasil.




Cultivo: É cultivada montada numa pequena placa de cortiça, estando todo o ano na estufa temperada, com mínimas noturnas de 12 graus e máximas de 33 a 34 graus. Contudo, penso que suporta temperaturas mínimas um pouco mais baixas (8 a 10 graus). O ambiente é ligeiramente sombreado, bem ventilado e com elevado teor de humidade relativa do ar.
Rego quase diariamente nas estações mais quentes e secas do ano, reduzindo drasticamente o número de regas durante o Inverno, sendo, neste período,  apenas as necessárias para manter a planta hidratada.
Utilizo o fertilizante Akerne Rain Mix, aplicado uma a duas vezes por semana, desde o início do aparecimento dos pseudobulbos até à sua maturidade, sempre em doses de baixa concentração (metade da dose indicada para cada litro de água). A partir da segunda metade do Outono, até finais de Fevereiro, suspendo as fertilizações.

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/sophviolacea.htm

https://wcsp.science.kew.org/namedetail.do?name_id=249988

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Cymbidium goeringii v. 'Hong Yu Su'

O Cymbidium goeringii possui imensas variantes no que toca a cores e padrões das suas flores. Esta é uma das mais raras e difícil de encontrar. Está comigo desde 2013 e só agora floriu pela primeira vez, pois trata-se duma planta de crescimento lento e pouco vigoroso. Valeu a pena a espera, pela sua beleza e aromas peculiar. Esta espécie é para se cultivar em climas/ambientes frios e em locais bem sombreados e húmidos.





quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Bulbophyllum lindleyanum

O Bulbophyllum lindleyanum é uma espécie de pequeno porte, de pseudobulbos ovoides, ligeiramente achatados, com uma única folha apical, oblongo lanceolada. As suas inflorescências pendentes são longas, compostas por inúmeras flores  tomentosas e com as sépalas fortemente estriadas de tons vermelhos/acastanhados.

Família: Orchidaceae          Género: Bulbophyllum        Espécie: lindleyanum

Habitat natural: Esta é uma espécie epífita que se desenvolve em climas tropicais e semitropicais, em zonas de baixa e média altitude, em países como a Índia, a Tailândia e a Birmânia (Myanmar).






Cultivo: É cultivada todo o ano na estufa temperada/quente, com temperaturas mínimas de 12 graus e máximas de 33/34 graus. O ambiente de cultivo é sempre sombreado, tendo contudo boa luminosidade, bem ventilado e com elevado teor de humidade do ar. 
Está num vaso pequeno (cerca de 10 cm de diâmetro) e utilizo um substrato composto em partes iguais por casca de pinheiro média e fina e alguma perlite, que se mantem constantemente húmido, mas nunca encharcado. 
Rego frequentemente nas estações mais quentes e secas do ano, espaçando consideravelmente as regas durante o Inverno, de forma a garantir que o substrato se mantenha sempre ligeiramente húmido.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix uma a duas vezes por semana, sempre com doses pouco concentradas (metade ou menos de metade da dose indicada pelo fornecedor por cada litro de água). Durante o Inverno suspendo as fertilizações.

Referências bibliográficas:

https://wcsp.science.kew.org/qsearch.do

http://orchidspecies.com/bulblindleyanum.htm

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Cattleya Pearlouis (Cattleya bicolor x Cattleya coccinea)

A Cattleya Pearlouis L.C.Muller (Cattleya bicolor x Cattleya coccinea) é um belo híbrido primário, registado em 1975 (RHS), sendo uma planta de pequeno porte com flores grandes e intensamente coloridas, factores "herdados" em maior percentagem de um dos seus progenitores; a Cattleya coccinea.
É uma planta ideal para ser cultivada em pequenos cestos suspensos, em locais bem ventilados, ligeiramente sombreados (mas com boa luminosidade), temperaturas intermédias (entre os 10 e os 30 graus) e elevado teor de humidade relativa do ar. É uma orquídea de fácil e rápido desenvolvimento e de fácil e abundante floração.



segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Stanhopea reichenbachiana

A Stanhopea reichenbachiana é uma planta de médio porte, de pseudobulbos ovoides, enrugados com a idade, com uma única folha apical, oblongo lanceolada. As suas inflorescências são, na maior parte dos casos, compostas por 2 flores de cor branca porcelana e intensamente perfumadas a especiarias. 

Família: Orchidaceae            Género: Stanhopea            Espécie: reichenbachiana

Habitat natural: Esta é uma espécie de desenvolvimento epífito, ocorrendo em córregos de florestas inacessíveis e tropicais húmidas, em altitudes que podem oscilar entre os 500 e os 1000 metros, na Colômbia e no Equador.





Cultivo: É cultivada todo o ano na estufa aquecida, com temperaturas mínimas noturnas de 12 a 14 graus. Está num cesto de madeira suspenso, com um substrato à base de casca de pinheiro média e fina, argila expandida e perlite. O ambiente de cultivo é sombreado, bem ventilado e com elevado teor de humidade relativa do ar.
Rego de forma a manter o substrato sempre húmido, mas nunca encharcado, sendo as regas mais constantes nos períodos mais quentes e secos do ano e bastante mais espaçadas durante o Inverno. Sempre que o substrato der sinais de demasiado degradado, mantendo muitas vezes encharcado, este deve ser substituído.
Fertilizo com o Akerene Rain Mix, com duas aplicações semanais, sempre com doses de baixa concentração (colocando apenas metade da dose indicada pelo fornecedor, por cada litro de água). Durante o Inverno suspendo as fertilizações.

Referências bibliográficas: 

https://wcsp.science.kew.org/qsearch.do

http://orchidspecies.com/stanreichenbachiana.htm

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904