terça-feira, 15 de novembro de 2022

Trichoglottis atropurpurea

A Trichoglottis atropurpurea é uma espécie epífita, nativa das Filipinas, desenvolvendo-se em florestas tropicais de baixa altitude, quentes e húmidas, desde o nível do mar até aos 300 metros de altitude. Na minha estufa, floresce sempre no final do Verão e durante o Outono.

É cultivada na estufa temperada quente, em local com excelente luminosidade, mas sem sol direto, com elevado teor de humidade relativa e boa ventilação. Está montada num pequeno cesto suspenso, sem qualquer substrato, tal como as Vandas. Durante as épocas mais quentes e secas do ano é regada quase diariamente, reduzindo drasticamente as regas se o tempo for frio e chuvoso. Aplico o fertilizante Akerne's Rain Mix, duas a três vezes por semana, diluindo em cada litro de água apenas metade da dose indicada pelo fornecedor (1 grama para cada 4 litros de água). Durante o Inverno suspendo todas as fertilizações.



Referências bibliográficas:

IOSPE PHOTOS (orchidspecies.com)

Trichoglottis atropurpurea | Plants of the World Online | Kew Science

terça-feira, 8 de novembro de 2022

Elleanthus capitatus

A Elleanthus capitatus é uma belíssima orquídea, a cultivar em ambientes temperados quentes e com elevado teor de humidade relativa. É nativa em diversos países da América Central e da América do Sul, como o México, Guatemala, Honduras, Belize, Nicarágua, El Salvador, Honduras, Costa Rica, Panamá, Equador, Peru, Colômbia, Venezuela, Bolívia, Guiana, Guiana Francesa, Suriname e o Brasil, podendo desenvolver-se de forma epífita, litófila ou terrestre, em florestas situadas entre os 40 e os 3800 metros de altitude.



Referências bibliográficas:

IOSPE PHOTOS (orchidspecies.com)

World Checklist of Selected Plant Families: Royal Botanic Gardens, Kew

segunda-feira, 24 de outubro de 2022

Maxillaria nasuta

A Maxillaria nasuta é uma espécie de médio porte, que se pode desenvolver como planta epífita ou terrestre, em florestas montanhosas e chuvosas, entre os 200 e os 1800 metros de altitude. Tem uma ampla área de distribuição, em diversos países da Américo Central e do Sul, como o México, Honduras, Guatemala, Nicarágua, Panamá, Costa Rica, Colômbia, Venezuela, Guiana, Peru, Equador, Bolívia e Brasil. 

Cultivo este meu exemplar na estufa aquecida, nunca deixando descer as temperaturas mínimas abaixo dos 12 graus, mesmo durante a época mais fria do Inverno. O ambiente é moderadamente sombreado, bem ventilado e com elevado teor de humidade relativa (60 a 70%). Está num vaso médio, num substrato composto por casca de pinheiro média (70%) e argila expandida (30%).

Rego de forma a manter o substrato apenas ligeiramente húmido ao longo do ano, podendo secar por curtos períodos de tempo entre regas. Na estação mais fria e chuvosa reduzir drasticamente o número de regas. Fertilizo 2 vezes por semana, com o Akerne's Rain Mix, sempre com apenas cerca de metade da dose indicada para cada litro de água. Durante a segunda metade do Outono e durante o Inverno suspendo todas as fertilizações.



Referências bibliográficas:

IOSPE PHOTOS (orchidspecies.com)

World Checklist of Selected Plant Families: Royal Botanic Gardens, Kew

quinta-feira, 13 de outubro de 2022

Stanhopea anfracta

A Stanhopea anfracta é uma espécie epífita, de tamanho médio/grande, que se desenvolve nas encostas orientais dos Andes, em países como o Equador, o Peru e a Bolívia. O seu habitat situa-se em florestas nubladas e muito húmidas, em altitudes entre os 700 e 1400 metros.

Cultivo esta planta num cesto próprio para as Stanhopea e com um substrato composto por casca de pinheiro, argila expandida e esfagno. Está todo o ano na estufa fria, com temperaturas mínimas de 5 graus e máximas de 32 graus, em local sombreado, com elevado teor de humidade relativa (65 a 70%) e boa ventilação.

Rego de forma a manter o substrato sempre húmido, podendo este secar entre regas, mas apenas por períodos curtos de tempo. Adequar as regas às diferentes estações do ano, regando o mínimo possível no Inverno. Fertilizo 2 a 3 vezes por semana, com o Akerne's Rain Mix, suspendendo as fertilizações apenas nos períodos mais frios e chuvosos do Inverno.



Referências bibliográficas:

IOSPE PHOTOS (orchidspecies.com)

World Checklist of Selected Plant Families: Royal Botanic Gardens, Kew

sexta-feira, 16 de setembro de 2022

Dendrobium hekouense

O Dendrobium hekouense é uma das espécies de orquídeas descobertas mais recentemente, sendo ainda uma novidade em termos de cultivo. É uma planta miniatura, que se desenvolve de forma epífita, podendo ser observada, no seu estado natural, em florestas montanhosas e frias, entre os 1000 e os 2000 metros de altitude. É nativa da província de Yunnan, na China e parte do Vietname.

Pode ser cultivada em ambientes temperados frios, mas nunca exposta às geadas de Inverno. Requer um local com boa ventilação, elevado teor de humidade relativa e com sombra moderada. Regar e fertilizar com frequência, desde o aparecimento dos novos pseudobulbos, até à sua completa maturação. No Inverno deve ser proporcionada excelente luminosidade e um período de repouso das plantas, quase sem regas, para que possa florir com regularidade.



Referências bibliográficas:

IOSPE PHOTOS (orchidspecies.com)

World Checklist of Selected Plant Families: Royal Botanic Gardens, Kew

sexta-feira, 9 de setembro de 2022

Dendrobium lamyaiae

O Dendrobium lamyaiae é uma espécie miniatura, proveniente dos Laos e da Tailândia, onde se desenvolve como planta epífita. As suas curtas inflorescências apresentam flores bem coloridas e de dimensão considerável. Floresce, normalmente, no final do Verão.

É cultivado montado numa pequena placa de cortiça, na estufa temperada, em local com excelente luminosidade (sem sol direto), bem ventilado e com elevado grau de humidade relativa. Pode suportar ambientes mais frescos.

Durante as estações mais quentes e secas é pulverizado com água quase diariamente, reduzindo no tempo frio e chuvoso. Durante o Inverno proporciono um período de repouso, regando o mínimo possível. Desde o aparecimento dos novos pseudobulbos, até à sua completa maturação, aplico o fertilizante Akerne's Rain Mix, duas a três vezes por semana. No Inverno suspendo as fertilizações.



Referências bibliográficas:

IOSPE PHOTOS (orchidspecies.com)

World Checklist of Selected Plant Families: Royal Botanic Gardens, Kew

terça-feira, 30 de agosto de 2022

Maxillaria striata

A Maxillaria striata é uma espécie proveniente de florestas chuvosas e húmidas, desenvolvendo-se em altitudes entre os 700 e os 2200 metros, como planta epífita, no Peru, no Equador e na Colômbia. As suas inflorescências solitárias são vistosas e  de porte considerável (10 a 12 cm).

Cultivo esta planta na estufa fria, onde as temperaturas mínimas de Inverno descem até perto dos 4 graus e no Verão atingem os 32 graus de máxima. Está num cesto médio, suspenso, e um substrato composto por casca de pinheiro média e fina e argila expandida. O Local de cultivo é sombreado, bem ventilado e com elevado teor de humidade relativa.

As regas devem ser adequadas às diferentes estações do ano, de forma a manter o substrato sempre húmido, mas nunca encharcado. Fertilizo com o Akerne's Rain Mix, duas vezes por semana, sempre com apenas metade da dose indicada pelo fornecedor, em gramas, para cada litro de água. No tempo frio e chuvoso suspendo as fertilizações.



Referências bibliográficas:

IOSPE PHOTOS (orchidspecies.com)

World Checklist of Selected Plant Families: Royal Botanic Gardens, Kew