quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Dendrobium trinervium

O Dendrobium trinervium é uma planta miniatura, de pseudobulbos cilíndricos e carnudos, com diversas folhas ovaladas lanceoladas. As suas inflorescências são curtas, com flores brancas esverdeadas e finamente maculadas de vermelho escuro na parte central do labelo, podendo estas atingir os cerca de 2 cm de dimensão.

Família: Orchidaceae         Género: Dendrobium         Espécie: trinervium

Habitat natural: Esta é uma espécie nativa de florestas abertas de baixa altitude, desde o nível do mar até cerca dos 100 metros, quentes e húmidas, da Tailândia e da península da Malásia.





Cultivo: Esta é uma espécie exigente em temperaturas, cujas mínimas, mesmo durante o Inverno, nunca deverão descer abaixo dos 13 a 14 graus. É cultivada montada numa pequena placa de madeira, em local sombreado, mas com excelente luminosidade, bem ventilado e com elevado teor de humidade relativa do ar.
Nas estações mais quentes e secas do ano devemos regar quase diariamente, reduzindo drasticamente durante o Inverno. Para quem cultiva em vaso as regas deverão ser mais espaçadas.
Fertilizo uma a duas vezes por semana com o Akerne Rain Mix, sempre com doses de baixa concentração (metade ou menos de metade da dose indicada pelo fornecedor por cada litro de água). Durante o Inverno suspendo as fertilizações. 

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/dentrinervium.htm

https://wcsp.science.kew.org/qsearch.do

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

sábado, 8 de setembro de 2018

Cattleya bradei

A Cattleya bradei, ex Laelia bradei, é mais uma das espécies rupícolas nativas do Brasil, sendo esta do Estado de Minas Gerais.
É uma planta miniatura que se desenvolve entre os 1100 e os 1400 metros de altitude, podendo ser cultivada em ambientes com temperaturas ligeiramente baixas, sem exposição a frios exagerados ou geadas. Requer luz intensa, podendo mesmo suportar sol direto.
Está cultivada num vaso pequeno (6 a 8 cm de diâmetro) num substrato composto por uma mistura, em partes mais ou menos iguais, de casca de pinheiro grossa, argila expandida, pequenos pedaços de granito (2 cm) e pequenos pedaços de rocha contendo um bom teor de ferro na sua composição.



Referências bibliográficas: 

https://wcsp.science.kew.org/namedetail.do?name_id=374634

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Bulbophyllum bolsteri

O Bulbophyllum bolsteri é mais uma belíssima miniatura deste magnífico género com cerca de, mais ou menos, 2200 espécies naturais. Apresenta pseudobulbos ovalados, lateralmente sulcados, com uma única folha apical, elíptica lanceolada e coriácea. As suas inflorescências são compostas  por uma única flor, que se sobressai bem acima da planta, tendo a particularidade de apenas se manter aberta no final da noite e primeira parte da manhã (até cerca das 9/10 horas), mantendo-se totalmente fechada durante o resto do dia e a primeira metade da noite.

Família: Orchidaceae       Género: Bulbophyllum        Espécie: bolsteri

Habitat natural: Esta é uma espécie oriunda das Filipinas, onde se pode desenvolver como planta epífita, crescendo através de rizomas rastejantes, geralmente sobre os galhos das árvores, em locais/florestas de baixa e média altitude.




Cultivo: É cultivada durante todo o ano na estufa aquecida, onde as temperaturas mínimas se mantêm sempre acima dos 10 a 12 graus. O local de cultivo é sombreado, bem ventilado e com alto teor de humidade relativa.
Está montada numa pequena placa de cortiça, sendo regada diariamente nas estações mais quentes e secas do ano e mais espaçadamente no Inverno. Para quem cultiva em vaso  as regas poderão ser menos regulares.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix duas vezes por semana, sempre com doses de baixa concentração, nunca aplicando mais de metade dose indicada pelo fornecedor para cada litro de água. Durante o Inverno deixo de fertilizar.

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/bulbbolsteri.htm

https://wcsp.science.kew.org/qsearch.do

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Coelogyne lawrenceana

Coelogyne lawrenceana é uma espécie de médio porte, de pseudobulbos oblongos a ovoides, encimados por duas folhas largas e lanceoladas. Desenvolve naturalmente nos Himalaias e no Vietname, como planta epífita, em florestas primárias de montanhas de média altitude.
As suas inflorescências, mais curtas que a dimensão das folhas, podem ser compostas por algumas flores, geralmente 1 a 6 por cada haste. Estas abrem sucessivamente, apenas uma de cada vez, sendo algo perfumadas, de aspeto ceroso e de longa duração.




Cultivo: É cultivada todo o ano na estufa aquecida, em local sombreado, com elevado teor de humidade relativa e com boa ventilação. Pode contudo suportar alguma frio, desde que não seja muito acentuado (idealmente acima dos 8 a 10 graus) e por períodos prolongados de tempo.
Uso um vaso pequeno e um substrato composto maioritariamente por casca de pinheiro média e grossa e alguma argila expandida.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix uma a duas vezes por semana, sempre com metade da dose indicada pelo fornecedor para cada litro de água. Durante o Inverno deixo de fertilizar.

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/coellawrence.htm

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Cattleya wallisii 'M. Ito' (Cattleya eldorado 'M. Ito')

A Cattleya eldorado 'M. Ito' é um belíssimo clone desta espécie. A Cattleya eldorado é um sinónimo da Cattleya wallisii, sendo este último o nome aceite pela WCSP (World Checklist of Selected Plant Families). 
Pertence ao grupo das unifoliadas e é uma planta de médio porte,  proveniente da região do Amazonas, no Brasil 
As suas inflorescências trazem, normalmente, de 1 a 3 flores bem coloridas e agradavelmente perfumadas, sendo das que apresentam maior durabilidade entre todas as Cattleya.
É uma das que necessita de temperaturas mínimas de Inverno um pouco mais elevadas, sempre acima dos 12 a 14 graus. As restantes exigências de cultivo são idênticas à maioria das espécies, suas congéneres




Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/catteldorado.htm

https://wcsp.science.kew.org/namedetail.do?name_id=36173

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Cattleya xanthina

A Cattleya xanthina é uma espécie de médio porte, de pseudobulbos elípticos e lateralmente achatados, levemente estriados, com uma única folha apical ovalada lanceolada, ereta e rígida. As suas inflorescências surgem normalmente no fim da Primavera ou no Verão, a partir de uma espata grande, sendo compostas por duas ou mais flores (2 a 6 por haste) que não abrem totalmente. Nem sempre são perfumadas.

Família: Orchidaceae          Género: Cattleya         Espécie: xanthina

Habitat natural: Esta é uma planta epífita que se desenvolve em locais de baixa e média altitude, sendo nativa dos Estados da Baía e do Espírito Santo, no Brasil





Cultivo: Esta minha planta é cultivada montada num tronco de madeira. Está todo o ano na estufa aquecida, em local sombreado mas com boa luminosidade, com elevado grau de humidade do ar e bem ventilado. Opcionalmente pode ser cultivada em vaso, em substrato próprio para epífitas.
Nas estações mais quentes e secas do ano rego quase diariamente, espaçando consideravelmente o número de regas sempre que o tempo vai mais frio e chuvoso.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix, uma a duas vezes por semana, sempre com doses de baixa concentração (metade ou menos de metade da dose indicada por cada litro de água). Este princípio é válido para qualquer fertilizante utilizado. Durante o Inverno suspendo as fertilizações.

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/lxanthina.htm

https://wcsp.science.kew.org/namedetail.do?name_id=374571

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Maxillaria arachnitiflora

Maxillaria arachnitiflora é uma planta de pequeno porte, com reduzidos pseudobulbos, cilíndricos e totalmente envoltos por bainhas, com uma folha apical, oblongo elíptica. A sua época de floração é o Verão, com inflorescências solitárias e relativamente grandes. As suas flores de tons predominantemente brancos e amarelo claro, apresentam formas exóticas de rara beleza e são levemente perfumadas.

Família: Orchidaceae        Género: Maxillaria        Espécie: arachnitiflora

Habitat natural: É uma espécie epífita que se desenvolve em florestas sombrias, quentes e húmidas, em altitudes que rondam os 400 a 1400 metros, no Panamá e na Costa Rica.




Cultivo: É cultivada na estufa aquecida, o ano todo, exigindo temperaturas sempre acima dos 12 a 14 graus. O ambiente de cultivo é bem sombreado, com boa ventilação e elevado grau de humidade do ar (entre os 50 e os 70%). Utilizo um pequeno vaso com cerca de 10 cm de diâmetro e um substrato composto por uma mistura de casca de pinheiro média e fina, alguma argila expandida e alguma perlite.
Rego o necessário para manter o substrato sempre húmido, nunca deixando secar totalmente entre regas, nunca mantendo encharcado, sendo estas mais abundantes nas estações do ano mais quentes e secas e muito mais espadas no Inverno. Logo que o substrato denote sinais de degradação deve ser mudado.
Como é hábito com todas as orquídeas, fertilizo com o Akerne Rain Mix, uma a duas vezes por semana, sempre com doses de baixa concentração (cerca de metade da dose indicada nas intruções, por cada litro de água).

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/maxarachniflora.htm

https://wcsp.science.kew.org/qsearch.do