segunda-feira, 19 de abril de 2021

Vanda lamellata var. boxalii

A Vanda lamellata é uma planta de médio porte, oriunda das Ilhas Marianas, das Ilhas Ryukyu, de Taiwan, do Bornéu e das Filipinas. Desenvolve-se, no seu habitat natural, de forma epífita, em locais expostos ao sol e em florestas costeiras, desde o nível do mar até aos 300 metros de altitude. A Vanda lamellata var. boxalii  pode ser encontrada apenas nas Filipinas.

No meu espaço de cultivo, floresce quase sempre em plena Primavera, com inflorescências compostas por inúmeras flores, cerosas, de longa duração e perfumadas. Esta variedade difere da espécie tipo pelo  característico colorido das pétalas e das sépalas.

Cultivo esta espécie na estufa temperada quente, pois aprecia temperaturas mínimas sempre acima dos 12 a 14 graus, em cesto suspenso, com um substrato composto apenas por casca de pinheiro grossa (4 a 6 cm). Está em local com excelente luminosidade, mas não exposta ao sol, com boa ventilação e com elevado teor de humidade relativa (à volta dos 70%). Rego frequentemente durante a Primavera e o Verão, reduzindo drasticamente o número de regas durante o Inverno, sobretudo se o tempo for frio e chuvoso. Fertilizo com o Akerne's Raim Mix, duas a três vezes por semana, com apenas metade da dose indicada para cada litro de água. Durante o Inverno suspendo todas as fertilizações.




Referências bibliográficas:

IOSPE PHOTOS (orchidspecies.com)

World Checklist of Selected Plant Families: Royal Botanic Gardens, Kew

quarta-feira, 14 de abril de 2021

Dendrobium striolatum

O Dendrobium striolatum é uma espécie miniatura, que se desenvolve de forma litófila, sobre penhascos e rochas de granito, em locais bem expostos e até aos 1000 metros de altitude. É uma planta nativa da Nova Gales do Sul, Victoria e Tasmânia, na Austrália. As suas flores, não ressupinadas, surgem numa pequena haste fina, singularmente ou aos pares, sendo agradavelmente perfumadas. Normalmente, floresce na Primavera.

Cultivo-a montada numa pequena placa de cortiça, na estufa temperada quente, em ambiente com excelente luminosidade, mas onde nunca recebe sol direto, com elevado teor de humidade relativa (60 a70%) e continuamente ventilado. Como todas as orquídeas montadas, requer mais atenção no número de regas semanais, sobretudo quando o tempo for quente e seco, para não deixar desidratar a planta. Fertilizo com o Akerne's Rain Mix, duas a três vezes por semana. Durante o Inverno deixo de fertilizar, requerendo, nesta altura, um período de repouso não muito prolongado.




Referências bibliográficas:

IOSPE PHOTOS (orchidspecies.com)

World Checklist of Selected Plant Families: Royal Botanic Gardens, Kew

sábado, 10 de abril de 2021

Cattleya lueddemanniana var. coerulea

A Cattleya lueddemanniana é uma espécie endémica da Venezuela, sendo uma planta de médio porte e unifoliada. Desenvolve-se  de forma epífita, em zonas costeiras de baixa altitude, dos 0 aos 500 m, no norte deste país.

É cultivada montada num tronco de madeira, na estufa temperada quente, sempre exposta a boa luminosidade. O ambiente de cultivo possui ainda um elevado teor de humidade relativa (60 a 70%) e constante ventilação. Não deverá estar sujeita a temperaturas abaixo dos 12 a 14 graus, mesmo nos períodos mais frios do Inverno.

O número de regas deve ser adequado às condições meteorológicas, ao longo do ano, mais espaçadas durante o Inverno e muito mais frequentes nas estações mais quentes e secas, de forma a manter a planta sempre hidratada. Fertilizo duas a três vezes por semana, com o Akerne's Rain Mix, aplicando doses de baixa concentração. Durante o Inverno deixo de fertilizar.



Referências bibliográficas:

IOSPE PHOTOS (orchidspecies.com)

World Checklist of Selected Plant Families: Royal Botanic Gardens, Kew

quinta-feira, 25 de março de 2021

Maxillaria rodrigueziana

A Maxillaria rodrigueziana é uma espécie nativa do Panamá e da Costa Rica, onde se desenvolve como planta epífita, crescendo sobre os troncos de árvores, em florestas nubladas, situadas à volta dos 600 metros de altitude. É uma planta de médio porte, com pseudobulbos ovoides, com uma folha apical, de pecíolo longo e elíptica lanceolada. As flores surgem na Primavera, com cerca de 6 cm de dimensão e perfumadas.

Cultivo esta espécie na estufa temperada quente, em local bem sombreado, com boa ventilação e um elevado teor de humidade relativa, entre os 60 a 80%.  Utilizo um vaso pequeno e uma mistura de casca de pinheiro média (70%) e argila expandida (30%).

Rego o necessário para manter o substrato apenas ligeiramente húmido, podendo este secar ligeiramente entre regas, mas nunca por períodos prolongados de tempo. Fertilizo com o Akerne's Rain Mix, 2 a 3 vezes por semana, sempre com apenas cerca de metade da dose indicada pelo fornecedor, em cada litro de água. Durante a segunda metade do Outono e no Inverno deixo de fertilizar e rego apenas o restritamente necessário.



Referências bibliográficas:

IOSPE PHOTOS (orchidspecies.com)

World Checklist of Selected Plant Families: Royal Botanic Gardens, Kew

segunda-feira, 8 de março de 2021

Dendrobium jonesii

O Dendrobium jonesii é mais uma das espécies provenientes da Austrália, vegetando nas montanhas de Queensland, em altitudes que podem variar entre os 150 e os 1400 metros, em locais bem expostos e com luminosidade intensa.

Cultivo esta planta na estufa temperada, em vaso médio, com um substrato composto por casca de pinheiro média e grossa e argila expandida. O ambiente de cultivo tem boa luminosidade, sem sol direto, boa ventilação e elevado teor de humidade relativa. Rego com regularidade durante as estações mais quentes e secas do ano, respeitando um período de repouso durante o Inverno, importante para haver florações regulares. Fertilizo na fase de desenvolvimento dos novos pseudobulbos, até à sua completa maturação.



Referências bibliográficas:

IOSPE PHOTOS (orchidspecies.com)

terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

Rhyncholaelia glauca

A Rhyncholaelia glauca é uma planta com pseudobulbos oblongo fusiformes, com uma única folha apical, ereta, oblongo elíptica e coriácea. As suas inflorescências surgem no final do Inverno e na Primavera, a partir de uma espata e comportam apenas uma única flor por haste, perfumada e de longa duração.

É uma espécie epífita, que vegeta em florestas montanhosas, pouco densas, situadas em altitudes que podem oscilar entre os 700 e os 1600 metros, em vários estados do México, na Guatemala e nas Honduras.

Cultivo esta planta montada num  pedaço de cortiça, em estufa temperada quente, no local com a luminosidade mais intensa, sobretudo durante o Inverno. O ambiente é também bem ventilado e com elevado teor de humidade relativa.  Durante a Primavera e o Verão rego 4 a 5 vezes por semana, reduzindo consideravelmente durante o resto do ano e de acordo com as condições climatéricas. Aplico o fertilizante Akerne's Rain Mix, duas três vezes por semana, com apenas metade da dose indicada nas instruções, para cada litro de água. Durante segunda metade do Outono e no Inverno suspendo todas as fertilizações.



Referências bibliográficas:

IOSPE PHOTOS (orchidspecies.com)

World Checklist of Selected Plant Families: Royal Botanic Gardens, Kew

sábado, 23 de janeiro de 2021

Dendrobium cymbidioides

O Dendrobium cymbidioides é uma espécie de pequeno a médio porte, com pseudobulbos ovoides e duas folhas apicais. As suas inflorescências são relativamente longas e comportam várias flores, com cerca de 3,5 cm cada uma, sendo ligeiramente perfumadas e de longa duração.

É uma planta que se desenvolve de forma epífita, na Península da Malásia e nas ilhas de Sumatra e de Java, cujos habitats se situam em florestas com altitudes que podem oscilar entre os 2200 e os 2800 metros acima do nível do mar.

Este meu exemplar é cultivado montado numa placa de cortiça, em ambiente temperado a frio, com boa luminosidade, boa ventilação e elevado teor de humidade relativa. Opcionalmente, pode ser cultivado em vaso, utilizando um substrato para epífitas. Como é cultivada montada, rego e fertilizo com muita frequência, na fase de desenvolvimento dos novos pseudobulbos, reduzindo drasticamente na estação mais fria e chuvosa do ano. Como fertilizante utilizo sempre o Akerne´s Rain Mix, em doses de baixa concentração.




Referências bibliográficas: 

IOSPE PHOTOS (orchidspecies.com)

World Checklist of Selected Plant Families: Royal Botanic Gardens, Kew