terça-feira, 17 de julho de 2018

Cattleya mossiae var. semi-alba 'Valley Isle' x Cattleya mossiae var. semi-alba 'Exotic Orchids'





A Cattleya mossiae var. semi-alba 'Valley Isle' x Cattleya mossiae var. semi-alba 'Exotic Orchids' é uma maravilhoso "melhoramento" desta já de si muito bonita e peculiar espécie, endémica da Venezuela, onde é considerada a flor nacional.

É uma planta epífita, que vegeta no cimo de árvores altas, em florestas densas, entre os 900 e os 1500 metros de altitude.

Trata-se de uma espécie unifoliada de médio porte, com pseudobulbos fusiformes e sulcados, com uma única folha apical, ovada oblonga. As suas inflorescências são geralmente compostas por 2 a 6//7 flores de grande porte (cerca de 20 cm) e perfumadas.

As exigências de cultivo são semelhantes à generalidades da maioria das espécies deste género, suportando esta temperaturas ligeiramente mais baixas. É importante proporcionar boa luminosidade, podendo ser cultivada montada ou em vaso.

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/cattlmossiae.htm

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Dendrobium chryseum

O Dendrobium chryseum é uma planta de médio a grande porte,  de pseudobulbos longos e finos, com diversas folhas dispostas alternadamente na parte superior dos mesmos, de forma oblongo lanceolada. As suas inflorescências surgem a partir dos nós superiores dos pseudobulbos mais velhos, sendo relativamente curtas, pendentes e geralmente com 3 a 6 flores amarelo torrado, grandes (cerca de 6 a 7 cm), brilhantes e ligeiramente perfumadas.

 Família: Orchidaceae        Género: Dendrobium        Espécie: chryseum

Habitat natural: É uma espécie que se desenvolve de forma epífita, por vezes litófila, em zonas montanhosas e em altitudes que podem oscilar entre os 1100 e os 2500 metros. É nativa de uma vasto território do continente asiático, abrangendo países como a China,  Índia,  Bangladesh,  Nepal, Butão, Birmânia, Taiwan, Laos e Tailândia.




Cultivo: Sendo uma espécie de habitats de altitude, esta espécie pode ser cultivada em ambientes temperados a frios. necessitando de um stress hídrico no Inverno (período de descanso) e de diferenças consideráveis de temperatura entre o dia e a noite, para poder florir com mais facilidade.
Está cultivada num vaso médio (10 cm de diâmetro), com um substrato maioritariamente à base de casca de pinheiro média (1 a 2 cm) e alguma argila expandida. O ambiente de cultivo é sombreado mas com boa luminosidade, bem ventilado e com bom teor de humidade do ar (entre os 50 e os 60%).
Fertilizo com o Akerne Rain Mix, uma a duas vezes por semana, sempre com cerca de metade da dose do adubo por cada litro de água, constante da indicação do fornecedor. Ao longo de todo o Inverno deixo de aplicar fertilizações.

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/denchyrseum.htm

http://wcsp.science.kew.org/namedetail.do?name_id=57388

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Cleisostoma birmanicum

A Cleisostoma birmanicum é uma planta de pequeno porte, de crescimento monopodial, com folhas grossas, carnudas e linear liguladas e desigualmente bilobadas na extremidade. As suas inflorescências surgem a partir do caule, de forma pendente e comportando diversas flores de formas e cores bastante exóticas.

Família: Orchidaceae         Género: Cleisostoma         Espécie: birmanicum

Habitat natural: Espécie epífita, de habitats com bastante humidade, de florestas mistas e de coníferas, crescendo sobre os troncos velhos das árvores, cobertos de musgo, em zonas montanhosas, cujas altitudes podem oscilar entre os 800 e os 1400 metros. É nativa de países como a China, o Vietname, a Birmânia e a Tailândia.




Cultivo: É uma espécie para ambientes temperados, suportando temperaturas mínimas de Inverno entre os 8 e os 10 graus, durante a noite. Durante o dia requer temperaturas mais elevadas.
É cultivada num pequeno vaso, com casca de pinheiro grossa e argila expandida. Opcionalmente pode ser cultivada num pequeno cesto, como as Vanda.
O ambiente de cultivo é ligeiramente sombreado, proporcionando mais luz durante o Inverno, possui elevado teor de humidade do ar e boa ventilação.
Rego frequentemente durante as estações mais quentes do ano (3 a 4 vezes por semana), reduzindo consideravelmente no Inverno. Se o tempo for frio e chuvoso, regar o menos possível.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix, uma a duas vezes por semana, sempre com doses pouco concentradas, metade ou pouco mais de metade da dose aconselhada pelo vendedor por cada litro de água. Durante o Inverno suspendo as fertilizações.

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/cleisobirmaiacum.htm

http://wcsp.science.kew.org/qsearch.do

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

terça-feira, 3 de julho de 2018

Encyclia ambigua

A Encyclia ambigua é uma planta de médio porte, de pseudobulbos ovoides a cónicos, bem juntos uns dos outros e com duas a três folhas apicais, linear liguladas e agudas na extremidade. Produz longas inflorescências ramificadas, que podem atingir cerca de um metro de comprimento, com inúmeras flores suavemente perfumadas, com cerca de 5 a 6 cm.

Família: Orchidaceae        Género: Encyclia         Espécie: ambigua

Habitat natural: É uma espécie que se desenvolve de forma epífita, manifestando-se em locais situados entre os 900 e os 1900 metros de altitude, podendo ser observada, no seu ambiente  natural, no Estado de Chiapas, no México e ainda na Guatemala.




Cultivo: É uma espécie para temperaturas intermédias, geralmente entre os 8 e os 30 graus, sendo cultivada em local sombreado mas com boia luminosidade, com bom teor de humidade do ar e com boa ventilação.
Utilizo um pequeno vaso e um substrato à base de casca de pinheiro grossa e alguma argila expandida. Aprecia ter as raízes expostas ao ar.
Rego 2 a 3 vezes por semana, nas estações mais quentes e secas do ano, reduzindo drasticamente as regas durante o Inverno.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix, sempre com doses de baixa concentração, uma a duas vezes por semana. Durante o Inverno suspenso as fertilizações.

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/encambigua.htm

http://wcsp.science.kew.org/qsearch.do

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Dendrobium scoriarum

O Dendrobium scoriarum é uma espécie de médio porte, de pseudobulbos finos e alongados, geralmente de hábito pendente, com pequenas folhas ligeiramente coriáceas e oblongo lanceoladas. As suas inflorescências surgem nos pseudobulbos mais velhos, são curtas e geralmente com uma a duas pequenas flores (1,5 a 2 cm) por haste.

Família: Orchidaceae         Género: Dendrobium          Espécie: scoriarum

Habitat natural: Esta bela espécie desenvolve-se como planta epífita e é nativa de algumas províncias da China ( Yunnan e Guanxi) e do Vietname. Cresce sobre os troncos das árvores e sobre rochas, nas bordas das florestas e ou em clareiras, em altitudes que rondam os 1200 metros.





Cultivo: Esta planta é cultivada montada sobre uma pequena placa de cortiça, estando todo o ano na estufa fria, em local com boa luminosidade (sem sol direto), com boa ventilação e elevado teor de humidade do ar.
Rego com frequência, 3 a 4 vezes por semana, durante as estações mais quentes e secas do ano, reduzindo drasticamente as regas durante o Inverno, passando por um período de descanso, quase sem regas, durante o período mais frio e chuvoso desta estação.
Fertilizo uma a duas vezes por semana com o fertilizante Akerne Rain Mix, sempre com doses de baixa concentração (metade da dose indicada pelo fornecedor para cada litro de água). Durante os meses de Inverno suspendo as fertilizações.

Referências bibliográficas: 

http://orchidspecies.com/denguangxiense.htm

http://wcsp.science.kew.org/namedetail.do?name_id=59051

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Maxillaria elatior

Maxillaria elatior é uma espécie que pode apresentar alguma variabilidade nas suas florações, sendo uma planta de tamanho médio/grande, com um comportamento de crescimento na vertical. As suas inflorescências são solitárias, com flores que atingem os 5 cm de dimensão, de aspeto ceroso e belamente coloridas.

Família: Orchidaceae          Género: Maxillaria          Espécie: elatior

Habitat natural: Planta epífita, que se desenvolve sobre os galhos/troncos maiores das árvores, em florestas de folha persistente, em zonas montanhosas e em altitudes entre os 400 e 1500 metros. Pode ser observada, no seu habitat natural, em países como o México, a Costa Rica, a Nicarágua, as Honduras, o Belize e a Guatemala.




Cultivo: É uma espécie que, apesar de ser referenciada para climas temperados, se tem adaptado bem na minha estufa fria, onde as temperaturas, esporadicamente, descem até perto dos zero graus. Está num local bem sombreado, vem ventilado e com bom teor de humidade do ar.
Utilizo um vaso médio, com cerca de 15 cm de diâmetro, com um substrato à base de casca de pinheiro de média granulometria (70%), argila expandida (25%) e perlite (5%). Rego o necessário para manter apenas o substrato ligeiramente húmido, evitando encharcamentos. Quando o substrato evidenciar sinais de degradação deve ser substituído por novo.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix, uma a duas vezes por semana, sempre com metade da dose indicada pelo fabricante, para cada litro de água. No Inverno deixo de aplicar fertilizações.

Referências bibliográficas:

http://orchidspecies.com/maxieliator.htm

https://www.facebook.com/americo.pereira.39904

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Cattleya nobilior var. amaliae

A Cattleya nobilior var. amaliae é uma bonita variedade desta magnífica espécie. Embora com algumas semelhanças entre a Cattleya nobibior e a Cattleya walkeriana, a Cattleya nobilior destaca-se claramente por ser uma planta bifoliada e ainda por algumas diferenças nas flores, sobretudo pelo seu peculiar labelo. É uma planta um pouco mais exigente no seu cultivo mas merece bem o esforço, especialmente quendo somos beneficiados com estas deslumbrantes florações.

Família: Orchidaceae     Género: Cattleya     Espécie: nobilior    var. amaliae

Habitat natural: É uma espécie epífita que vegeta sobre os troncos rugosos de árvores, sempre bem exposta à luz solar, no alto de falésias, beneficiando de excelente circulação de ar, em altitudes que oscilam entre os 150 e os 700 metros. Esta variedade da Cattleya nobilior é proveniente dos Estados de Goiás e Tocantins, no Brasil.




Cultivo: É uma espécie que requer temperaturas bem quentes o ano todo, não tolerando estar exposta ao frio durante o Inverno. Esta planta está montada num pedaço de madeira rugoso e é cultivada na minha estufa aquecida, no local com maior exposição de luz, com excelente arejamento e com bom nível de humidade do ar durante a Primavera e Verão. 
Rego com frequência (3 a 4 vezes por semana) na segunda metade da Primavera, Verão e primeira metade do Outono. Durante os restantes 5 meses do ano é importante proporcionar-lhe um prolongado stress hídrico, regando apenas o necessário para não desidratar a planta. Com o tempo frio e chuvoso deve mesmo suspender-se todas as regas.
Fertilizo com o Akerne Rain Mix, duas vezes por semana, sempre com doses pouco concentradas, com apenas cerca de metade da dose que vem na informação descrita no produto. Durante o período de stress hídrico suspendo todas as fertilizações.

Referências bibliográficas: 

http://orchidspecies.com/cattwalkerianavarnobilior.htm

http://wcsp.science.kew.org/namedetail.do?name_id=346366