quarta-feira, 19 de março de 2014

Ionopsis utricularioides

 

 
Mais uma primeira floração a acontecer entre as aquisições de 2012 e 2013. Esta é uma planta de pequeno porte, com longas hastes florais, densamente povoadas de pequenas e delicadas  flores, de formas e cores pouco vulgares.
Família: Orchidacae       Género: Ionopsis       Espécie: utricularioides
Habitat natural: Esta é uma espécie que se desenvolve a baixa ou média altitude, de forma epífita, estando distribuída por uma vastíssima área, que vai desde a Florida (Estados Unidos), até ao Brasil e Paraguai, abarcando, assim, países da América do Norte, Central e do Sul.
Cultivo: Sendo uma planta epífita, prefere o cultivo em placas de cortiça ou de madeira, de forma a proporcionar um crescimento livre e arejado das raízes. Aprecia temperaturas médias altas, elevado teor de humidade, com regas e fertilizações regulares ao longo de todo o ano.

quinta-feira, 13 de março de 2014

Dendrobium ruppianum

 

 
 
Em muitos aspetos semelhante ao Dendrobium speciosum ou ao Dendrobium jonesii, considerado por alguns como um sinónimo deste, esta espécie atinge contudo maior porte ainda e as suas hastes florais são exuberantes, no tamanho e na disposição densa das suas flores. É uma planta de grande porte, compacta e que exige espaço para o seu cultivo, mas que nos compensa com tanta beleza.
Família: Orchidaceae     Género: Dendrobium    Espécie: ruppianum
Habitat natural: Espécie de média altitude, das florestas da Austrália, desenvolvendo-se em florestas pouco densas e com muita luz.
Cultivo: Está cultivada num vaso médio, em substrato para orquídeas epífitas, num local com bastante luz mas sem receber sol direto. Necessita de temperaturas amenas na estação mais fria do ano (mínimas de cerca de 12º).
Regas e fertilizações regulares na fase de desenvolvimento da planta, nas estações mais quentes, com um período de repouso durante o Inverno. Também pode ser cultivada montada numa placa de cortiça.

segunda-feira, 10 de março de 2014

Ophrys incubacea



 
Esta é uma das orquídeas silvestres mais raras no nosso país e, simultaneamente, uma das mais belas, destacando-se os seus desenhos e formas apuradas, bem como as suas cores e texturas.
Em Portugal podemos encontrá-la  a sul do rio Tejo, em poucas populações localizadas, quase sempre com um reduzido número de indivíduos.
É uma planta de  médio a grande porte, podendo atingir os 20 a 40 cm, constituída por uma roseta basal de folhas, oblongo-lanceoladas, seguida de uma haste floral ereta, com 3 a 8 flores, dispostas  em espiga e espaçadas entre si. As suas flores possuem um labelo fortemente colorido, arredondado e munido de intensa pilosidade submarginal. As restantes pétalas e sépalas  são, geralmente, verde esbranquiçadas, por vezes de um rosa suave ou mais intenso.

quinta-feira, 6 de março de 2014

Masdevallia glandulosa


 
 
Seguramente, para mim, uma das mais bonitas espécies do género Masdevallia e ainda com a mais valia de possuir um perfume intenso e dos mais agradáveis que eu conheço. Tendo-a adquirido há cerca de um ano como uma planta jovem, foi uma surpresa enorme nesta sua primeira floração nas minhas mãos.
Família: Orchidaceae     Género: Masdevallia     Espécie: glandulosa
Habitat natural: Espécie de médio porte, que se desenvolve nas florestas de média a elevada altitude, em ambientes com elevado grau de humidade, do Peru e do Equador.
Cultivo: Cultivo-a montada em placa de cortiça, com as raízes envolvidas em musgo/esfagno. Manter em ambiente fresco e húmido, com bastante sombra. Regas constantes ao longo de todo o ano e fertilizações regulares de baixa concentração.